Agricultores transmontanos aderem à luta contra o Bichado da castanha

O bichado da castanha - Cydia splendana - é a principal praga do castanheiro para a produção de fruto. As castanhas infestadas com as larvas desta praga perdem todo o valor comercial, o que pode trazer graves prejuízos económicos ao produtor e aos demais agentes a jusante na fileira comercial da castanha.

A borboleta associada a esta praga desenvolve a sua actividade na fase de maturação dos frutos, entre os meses de Agosto e Outubro, apresentando vários picos de voo que podem ter lugar entre finais de Agosto e princípios de Setembro. A postura situa-se geralmente sobre as folhas junto aos frutos e também na base dos ouriços.

No concelho de Vila Pouca de Aguiar identificaram-se em alguns soutos níveis elevados de infestação com bichado, os quais variam com as situações culturais, o ano, a data de colheita, as cultivares e o sistema de manutenção do solo.

Atentos à dimensão económica do problema a Câmara Municipal de Vila Pouca de Aguiar, através do seu Gabinete de apoio ao agricultor, a AGUIARFLORESTA e a AGROAGUIAR decidiram, em conjunto com os produtores de castanha, montar uma estratégia de combate a esta praga, centrada na luta biotécnica, com a colocação de armadilhas de captura de machos da borboleta Cydia splendana.

Esta estratégia arrancou no terreno com a realização, no passado dia 21 de Maio de 2011, de uma acção demonstrativa de colocação de armadilhas conduzida pelo técnico Diamantino Correia da empresa Crimolara e apoiada pelas entidades antes referidas onde foi apresentado o método de captura aos produtores.

A receptividade e adesão dos produtores foram elevadas, pois estes constataram que se forem instaladas nos soutos este tipo de armadilhas e seguidos os aconselhamentos técnicos transmitidos a eficácia deste método será muito elevada, garantindo assim um baixo nível de danos de bichado nas castanhas.

Os produtores que pretendam aderir a este método, deverão contactar a AGUIARFLORESTA para obter as informações sobre este assunto.

 

Fonte texto e fotos: Aguiarfloresta